Lembra dela? Adrhyana Rhibeiro, do extinto grupo com A Rapaziada, entra na cena eletrônica: “Mas não significa que eu deixe de ser cantora de pagode”; veja a entrevista

. . Nenhum comentário:

Ela ficou conhecida no final dos anos 90 com o grupo Adryana e A Rapaziada e hoje experimenta algo totalmente diferente do pagode/samba que tocou – e ainda toca – nos shows que faz por todo o Brasil: a música eletrônica. Estreante no estilo e agora assinando seu nome com uma grafia diferente, Adrhyana Rhibeiro está em um momento único na carreira, participando do primeiro EP do DJ brasileiro Tommy Love, na faixa Let’s Go People.

Paralelo ao projeto, a cantora mostrou essa transição para o hit eletrônico em seu último trabalho, Take It Easy My Brother Jorge, disco lançado em 2013. “Eu já estava engajada com esse processo de mistura de estilos. Esse disco está em uma versão mais eletrônica”, disse a cantora, hoje com 41 anos, em um bate-papo com o Farol Pop.

Let’s Go People

Quem escuta o hit de Tommy Love pela primeira vez, não percebe, a princípio, que quem está cantando é Adrhyana, não só pelo fato dela estar em um estilo totalmente diferente do que ela é sucesso, mas também pela transição vocal que a música pede, além de claro, cantar em inglês, novidade para a cantora.

“Cantar em inglês foi algo inusitado. Quando cheguei no estúdio, eu falei para Tommy e Nicky Valentine, que é uma das compositoras da música: ‘Podem me tratar como uma criança de 2 anos. Me ensinem’. Eu me coloquei de uma forma moldável para eles”, explicou a cantora, que estava gripada no dia da gravação. “Uma das curiosidades desse projeto foi isso. Estava com febre, mas quisemos gravar mesmo assim e se precisasse eu voltaria lá para fazer de novo. E hoje a música já tem 3 versões diferentes nas pistas”, completou.

E como essa parceria com Tommy Love aconteceu? Com um simples “Olá, gosto muito do seu trabalho”, no Twitter. Isso mesmo! As redes sociais ajudaram Adhryana a ir para o mundo eletrônico. “Eu sempre fui fã dos trabalhos de Tommy Love. Eu o admiro por ser um dos melhores DJs brasileiros. E eu mandei sem a gente se conhecer pessoalmente e logo aparece um contato de verdade com ele, por meio de um amigo em comum, e resultou nesse projeto”.

Fãs

Assim como Tommy Love contou ao blog a respeito da reação dos fãs das cantoras com quem contou para seu primeiro EP (veja AQUI), Adrhyana também se surpreendeu com seus fãs. “Foi o melhor barato de todos. Eles curtiram, amaram se surpreenderam e se identificaram. Eu pensei que pudesse existir uma diferença, mas foi uma grata surpresa. Brincaram até que eu parecia uma gringa cantando. Foi muito positivo”, disse a cantora satisfeita.

Sem deixar a origem de lado

Apesar dessa mudança na carreira de Adrhyana, a cantora não deixa de lembrar sua raiz na música. “A minha primeira oportunidade foi dada pelo Martinho da Villa, quando gravei meu primeiro disco em 1995. Foi no samba. Sempre curti Calara Nunes, Bete Carvalho”.

E continuou: “Antes de me tornar uma cantora de pagode, eu venho do baile. Eu cantava de tudo, Madonna e tudo mais. E venho de uma escola de música, estudei canto erudito. Meu instrumento é a voz e a gente tem que cantar de tudo para o mundo. E esse novo projeto na música eletrônica não quer dizer que eu vou deixar de ser essa cantora de pagode. São projetos especiais. É a minha missão”.

Adrhyana Rhibeiro

A pequena mudança na grafia do nome de Adrhyana foi por causa da Cabala, crença seguida pela cantora. Ela pediu para fazerem uma análise do seu nome e a mudança veio para trazer vibrações positivas em sua vida, tanto pessoal, quanto profissional. “Desde que eu fiz essa mudança, eu sinto muita coisa boa”, destacou Adhryana que estuda rabino há três anos.

Adryana e a Rapaziada

O ano está praticamente no fim e Adrhyana já tem ideias para 2015, principalmente voltadas para a gravação de seus grandes hits, quando estava à frente do grupo com A Rapaziada e, quem sabe, reunir seus parceiros do extinto grupo. “Pretendo fazer um DVD, retomar o samba, relembrar os grandes sucessos, sem deixar de colocar inéditas, pois o público também pede isso”, ressaltou.

A cantora ainda faz uma análise do que está por vir. “Eu acredito que passei por um momento, junto com a indústria do disco, que passou e passa por problemas como a pirataria. Eu e vários outros artistas. E eu sinto que 2015 será um ano muito positivo para todos nós. Vamos estar restartanto nossas carreiras. Sempre fui de projetos, nunca me fechei. Eu plantei sementes e elas darão frutos em 2015, seja na cena eletrônica, seja no samba-pagode ou em outros estilos como projetos de MPB que eu faço parte”, finalizou Adrhyana.

Ouça abaixo Let’s Go People:







Fotos: Reprodução

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga-nos

Facebook

Newsletter

Translate